Games no recrutamento: como funciona e qual a sua importância?

Utilizar a gamificação no recrutamento e seleção de talentos é uma tendência cada vez mais forte que consiste no uso de mecânicas e práticas de jogos em ambientes corporativos. Tais jogos vão de avaliações de conhecimento em formato de quiz a apresentações corporativas de projetos e jogos empresariais.

shutterstock_261759521

Grandes empresas já sabem que precisam inovar seus processos de recrutamento e seleção para atrair os melhores talentos — principalmente os pertencentes à geração Y. Por esse motivo, os games de recrutamento têm ganhado cada vez mais espaço no RH das organizações.

Uma pesquisa realizada pela empresa M2 Intelligence e veiculada pelo jornal O Estado de São Paulo mostrou que jogos corporativos vão movimentar 5,5 bilhões de dólares no mundo em 2018. Já a pesquisa realizada pelo Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos (IEEE) revelou que a previsão é de que 85% das atividades diárias até 2020 envolverão algum elemento de jogo.

Entenda agora quais as influências que essa novidade exerce na seleção de funcionários e como ela vem sendo aplicada nas empresas!

Como funcionam os games no recrutamento?

O jogo corporativo é baseado no direcionamento de aprendizagem na Andragogia, uma metodologia de ensino para adultos com definição realizada por Malcolm Knowles na década de 1970.

Cada tipo de jogo torna possível um ambiente de aprendizagem relevante, garantindo experiências mais significativas de compartilhamento de ideias. Por meio dessas experiências, os participantes da entrevista de recrutamento vivenciam e percebem os comportamentos esperados para a vaga.

Uma das características mais cruciais da gamificação é a previsibilidade dos resultados, já que os processos dos jogos consistem em estruturar tomadas de decisões com diversos parâmetros e alternativas anteriormente planejadas para gerar os aprendizados esperados.

Por que utilizar a gamificação no recrutamento?

De acordo com um artigo do jornal A Folha de São Paulo, os trabalhadores mais novos estão interessados por organizações que possuam um ambiente desafiador e que os incentive constantemente com projetos inovadores.

Por isso, quando percebem que uma empresa utiliza o moderno método da gamificação, eles se identificam e tornam aquela marca desejável para se trabalhar. Como consequência, a organização ganha mais visibilidade no mercado e começa a subir no ranking das marcas empregadoras, aquelas mais desejadas pelos profissionais.

Os jovens trabalhadores também são altamente digitais e nasceram em um mundo mais dinâmico. Sendo assim, os jogos estão presentes em seu cotidiano e eles fazem uso de suas mecânicas de uma forma muito fácil.

Por isso, os jogos estão sendo usados para atrair, reter e estimular o desenvolvimento desses jovens profissionais. Consequentemente, as empresas estão se esforçando para se ajustar ao universo dessa geração por meio da gamificação.

Por que usar a gamificação nos processos seletivos?

Realizar um processo seletivo eficaz é uma das maiores dificuldades do departamento de RH. Para que seja um trabalho bem feito, os responsáveis procuram se certificar por meio de entrevistas e testes que os candidatos escolhidos são realmente os que se encaixam melhor nas necessidades da organização, tanto em relação às habilidades técnicas quanto às comportamentais.

A gamificação é mais uma ferramenta que pode ser usada nos processos, tanto para avaliar os candidatos como para passar informações sobre a empresa.

Essa técnica também pode ser aplicada para simular o ambiente de trabalho, ajudando a identificar as habilidades dos profissionais na prática, mas de maneira mais leve do que quando são usados testes formais para esse objetivo.

Fonte: Kenoby

Deixe um comentário